O GT-Acess foi criado em janeiro de 2018 a partir da necessidade de fornecer subsídios para que os profissionais bibliotecários tenham instrumentos e informações básicas para atenderem as pessoas com deficiência em suas mais diversas nomenclaturas e especificidades possibilitando a todos, sem distinção, o acesso à informação, ao conhecimento e à cultura.

O grupo tem por objetivos:

  • Contribuir na elaboração de políticas internas e protocolos de atendimento que sejam inclusivos, que busquem incessantemente eliminar as barreiras físicas e atitudinais que se colocam na vida das pessoas com deficiência;

  • Desenvolver um instrumento (checklist) para análise da acessibilidade em bibliotecas e centros de documentação que elenca 8 categorias de acessibilidade (arquitetônica, mobiliário e equipamentos, comunicacional, informacional, metodológica, instrumental, programática e atitudinal);

  • Propiciar um espaço para difusão e compartilhamento de material de apoio, como artigos e pesquisas realizadas no âmbito da Biblioteconomia sobre o tema;

  • Colaborar na formação de equipes para atuarem em Bibliotecas promovendo a acessibilidade;  

 

Estabeleceu 3 eixos de trabalho:

  1. Produção do checklist online de acessibilidade para Bibliotecas e Centros de documentação seguindo os princípios de:

 

  • Sustentabilidade (usuário e empresas podem contribuir na atualização do site)

  • Atualidade (as fontes de referência sobre acessibilidade, como normas, leis e decretos devem ser atualizadas constantemente)

  • Viabilidade econômica (manterá relação com empresas que oferecem produtos e serviços para acessibilidade no Brasil e no Exterior)

  • Praticidade (apoio na elaboração de projetos de captação de recursos para adaptação dos espaços em Bibliotecas e Centros de Documentação para promover a acessibilidade)

  • Aplicabilidade (o instrumento permite acesso a produtos para acessibilidade que podem integrar o projeto desenvolvido a partir da plataforma).

 

  1. Participação na organização do SENABRAILLE, maior evento nacional promovido pela FEBAB que objetiva estimular a discussão e a troca de experiências entre os profissionais que trabalham nas bibliotecas, sobretudo, para atender o público com deficiência;

  2. Manter ativa as discussões sobre o tema entre os profissionais da área de biblioteconomia e demais áreas que trabalham com a acessibilidade em todas suas dimensões e/ou categorias

 

Composição

Elenise Maria de Araujo

Coodenadora

Doutorado e Mestrado em Engenharia de Produção da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP); Especialista em Docência do Ensino superior pelo SENAC (2018); em Uso Estratégico das Tecnologias da Informação (2001) em Formação de Agentes Locais de Sustentabilidade Sócio-ambiental (2004); Graduada em Biblioteconomia e Documentação pela Escola de Biblioteconomia e Documentação de São Carlos (1990). Atua como Chefe Técnica do Serviço de Biblioteca da EESC-USP e colabora nas disciplinas de Metodologia da Pesquisa Científica nos programas de pós-graduação dos Departamentos de Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica da EESC-USP; Colabora nas disciplinas de Preparação Pedagógica: Estratégias de Ensino em Engenharia Elétrica no programa de pós-graduação do Departamento de Engenharia Elétrica da EESC-USP. Professora no Curso de pós-graduação lato senso do Departamento de Engenharia de Produção e do Departamento de Engenharia Aeronáutica da EESC-USP e no Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC-USP). orcid.org/0000-0003-3537-3811 É Diretora Regional da Região Sudeste da FEBAB.

Adriana Cybele Ferrari

Bacharel em Biblioteconomia pela Escola de Biblioteconomia e Documentação de São Carlos (EBDSC), especialização pela PUC Campinas e MBA pela POLI USP. Assessora e Coordenadora da Unidade de Bibliotecas e Leitura da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo (2007-2015). Assessora do Gabinete do Reitor da Universidade de São Paulo (2015-2018) . Atualmente é Diretora da Biblioteca Florestan Fernandes da da FFLCH/USP, Presidente da FEBAB e Membro do Comitê de Bibliotecas Públicas da IFLA

Catia Rejane Lindemann

Bibliotecária formada pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), militante de Biblioteconomia Social com atuação em Bibliotecas Prisionais e Mediação Da Leitura para Populações Socialmente Vulneráveis. Áreas de interesse: Biblioteconomia Social, Bibliotecas no Cárcere, Bibliotecas Comunitárias e Alternativas, Mediação da Leitura, Bibliotecas Escolares, Projetos em Biblioteconomia, Direitos Humanos e Informação. É Presidente da Comissão Brasileira de Bibliotecas Prisionais e Diretora Regional da Região Sul da FEBAB

Claire Cascaes de Aquino

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC (2003), Florianópolis-SC; Especialista em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos -IFSC (2012) Ararangua – SC. Suas experiências profissionais: Biblioteca Pública de Rio do Sul- FCRS (2004-2005); Biblioteca da Fundação Catarinense de Educação Especial de Santa Catarina/FCEE-SC ( 2005-2007); Biblioteca do IFSC - Campus Ararangua (2007-2011). Biblioteca do IFSC - Campus Palhoça Bilingue ( 2011-Atual). Possui amplo conhecimento com a educação especial devido ao trabalho realizado na biblioteca da FCEE-SC e principalmente sobre acessibilidade aos surdos devido a sua convivência (surda oralizada ), pesquisas acadêmicas e trabalho atual na Biblioteca do IFSC - Campus Palhoça Bilingue."

Clemilda dos Santos Sousa

Mestre em Políticas Públicas e Gestão da Educação Superior, Especialista em Pesquisa Científica pela Universidade Estadual do Ceará. Especialista em Tradução Audiovisual Acessível/audiodescrição pela Universidade Estadual do Ceará. Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Ceará. Atua profissionalmente na Biblioteca de Ciências Humanas da UFC. Atualmente, coordena a Seção de Atendimento à Pessoa com Deficiência do Sistema de Bibliotecas da UFC. Coordenou a Divisão de Produção de Material Acessível da Secretaria de Acessibilidade UFC Inclui de 2011 até 2018. Coordenou da Comissão de Acessibilidade do Sistema de Bibliotecas da UFC até 2018. Áreas de interesse: Tecnologia Assistiva, Gestão da Informação e do Conhecimento, Acessibilidade para Pessoas com Deficiência, Políticas Públicas, Acessibilidade em Bibliotecas, Audiodescrição.

Geisa Müller de Campos Ribeiro

Doutoranda em Comunicação, mídia e cultura pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFG. Mestre em Comunicação. Bacharel em Biblioteconomia pela FIC-UFG. Atua como Tutora presencial do curso em EAD de Biblioteconomia da Universidade Salgado de Oliveira - Universo. Atuou como docente do curso de Graduação em Biblioteconomia da Universidade Federal de Goiás (UFG) e Professora tutora e conteudista do Curso de Especialização latu sensu Letramento Informacional: educação para a informação (Universidade Aberta do Brasil - CAPES). É coordenadora do projeto Bibliocriativa. Desenvolve projetos nas áreas de inclusão digital, letramento e políticas culturais.

 

Leituras Recomendadas

Espaço destinado a divulgação de textos e outros materiais, em meio digital, que contribuam com a educação continuada dos profissionais.

Ações

checklist-2077019_1280.jpg

Checklist - Acessibilidade

Expostos os principais conceitos da terminologia inclusiva, a FEBAB apresenta um checklist elaborado a partir do trabalho de Nicoletti (2010) que apresenta 8 categorias de acessibilidade (arquitetônica, mobiliário e equipamentos, comunicacional, informacional, metodológica, instrumental, programática e atitudinal).

Esse instrumento é uma compilação de critérios para análise da acessibilidade em bibliotecas e centros de documentação auxiliando o bibliotecário e/ou gestor a transformar esses espaços em locais acolhedores e inclusivos.

gui-41156_1280.png