O Grupo de Trabalho de Bibliotecas pela Diversidade e Enfoque de Gênero nasce da necessidade de se discutir as questões de diversidade sexual e identidade de gênero no âmbito da Biblioteconomia e Ciência da Informação brasileira.

Criado em setembro de 2019, o grupo visa discutir:

  • Como a biblioteca pode auxiliar pessoas LGBTQIA+, em principal as que estão em situação de vulnerabilidade social?

  • Como o bibliotecário pode atuar para conscientizar tanto a equipe, quanto a comunidade em que está inserida em relação aos LGBTQIA+ e o impacto negativo dos estereótipos de gênero?

  • Como o acervo pode ajudar na desmistificação dos estereótipos de gênero?

  • Quais as melhores ações a serem implementadas, visando cumprir as questões anteriores?

 

Tendo estes 4 pontos em vista, o grupo objetiva então:

  1. Criar um documento norteador de ações e orientações de atendimento baseadas nas leis vigentes nos níveis municipal, estadual e federal;

  2. Compilar todas as ações e experiências promovidas pelas bibliotecas em todo o Brasil em um documento para publicação;

  3. Criar bibliografia básica de literatura LGBTQIA+ e Vocabulário Controlado especializado;

  4. Realizar relatórios anuais para consulta pública para entender a relação da comunidade com a biblioteca, especialmente a biblioteca pública;

  5. Promover palestras, cursos e ações voluntárias em conjunto as associações estaduais filiadas à FEBAB, escolas de biblioteconomia e ONGs.

 

Composição

Vicente Santos Gonçalves

Coordenador

Bachael em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela FaBCI/FESPSP em 2017 e técnico multimídia, atualmente atua como consultor na Entre Estantes Consultoria, prestando serviço para empresas e bibliotecas. Além disto, é coordenador de Comunicação e Tecnologia no grupo Infoco na Biblio, tendo realizado o evento [RE]Pense em 2018 e 2019 e editor do Podcast Foca na Info. É ativista da causa LGBTQIA+, voltado principalmente para Visibilidade Transmasculina e Pansexual.

Adonai Takeshi Ishimoto

Bibliotecário graduado pela FFCLRP/USP. Realizou um projeto de Iniciação Científica (IC) sobre Leitura em 2017, financiado pela FAPESP e outro projeto de IC sobre Representatividade LGBTQIA+ em bibliotecas, em 2018, financiado também pela FAPESP. O Trabalho de Conclusão de Curso, intitulado "Literatura LGBT em bibliotecas públicas: efeitos em (dis)curso" analisou a representatividade das identidades de gênero, por meio da Literatura, em espaços de duas bibliotecas públicas da região de Ribeirão Preto (SP). Possui capítulos de livros e artigos publicados sobre a temática. Atualmente trabalha como bibliotecário-coordenador de acervo, programação e produção da Biblioteca Sinhá Junqueira (RP/SP).

Carlos Wellington Soares Martins

Bacharel em Biblioteconomia pela UFMA em 2008, Doutor em Políticas Públicas pela UFMA em 2019, integra a Diretoria Integrada de Bibliotecas (DIB) da UFMA e atua como docente na Uemanet, organizou o livro "Do invisível ao visível: saberes e fazeres das questões LGBTQIA+ na Ciência da Informação" em 2019 e pesquisa políticas públicas para o livro e leitura, gênero, diversidade e sexualidade. Ativista e militante pela causa LGBTQIA+ em vários coletivos onde atua com formação política.

Eliana da Silva Rodrigues

Bibliotecária formada pela UFRGS. Pesquisa a temática de Bibliotecas Infanto-juvenis, tema do mestrado incompleto na Unirio, além de mediação e diversidade de gênero e inclusão social. Atualmente exerce suas atividades na Biblioteca Comunitária do Solar dos Meninos de Luz, ONG - Escola Integral no Complexo do Pavão Pavãozinho no Rio de Janeiro, trabalhando sempre a Biblioteconomia em conjunto com a Educação. Participação constante na militância LGBT, nas Paradas e nas reuniões de Pais de Gays e seus relacionamentos. Participação ativa na formação do grupo Famílias Homoafetivas.

Fernando Bittencourt dos Santos

Possui graduação em Biblioteconomia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas; Especialização em Informática em Saúde pela Universidade Federal de São Paulo; Mestrado em Ciência da Informação - Área de Concentração: Informação, Tecnologia e Conhecimento - pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP/Campus de Marília-SP - na Linha de Pesquisa: Organização da Informação. Áreas de interesse: Comportamento informacional, Recuperação da Informação, Serviço de Referência e Informação, Documentação da pesquisa científica, Recursos e serviços de informação, Disseminação da informação, Perfil e atuação do profissional da informação, Meio ambiente e informação para o desenvolvimento sustentável, Metodologia da Pesquisa e Informação na área de saúde.

Marcela Aguiar da Silva Nascimento

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Espírito Santo (PPGCI/UFES). Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Dedica-se ao escopo de pesquisa relacionado às (des)obediências e (des)naturalizações de gêneros e sexualidades dissidentes. Se interessa pelos temas correlacionados às práticas informacionais, competência em informação e comportamento informacional. É ativista dos direitos de travestis, mulheres e homens transexuais na região da Grande Vitória (ES).

Marcus Aloisio

Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela FESPSP. Desenvolve trabalhos nos eixos culturais com ênfase em artes visuais e diversidades sexual e de gênero. Atua como Auxiliar de documentação técnica no SENAC SP e fez parte do grupo: Cultura de paz, inclusão e diversidade, auxiliando na tomada de decisões para realização de eventos de conscientização e assumiu a coordenação do grupo de Inclusão e diversidade em 2020. Além da atuação nos grupos formais, realizou projetos culturais de incentivo à leitura e conscientização social por meio de palestras, workshops e oficinas que coordenou e ministrou no SENAC Largo 13 e Lapa Faustolo, FESPSP e CBBD. Em parceria com o Museu da Diversidade Sexual incluiu a mostra Moda e diversidade no evento Casa aberta do SENAC SP, prorrogando-se para utilização em ações educativas com os alunos do curso de aprendizagem profissional. Trabalhou voluntariamente para a ONG Amapô, voltada à promoção dos direitos humanos para a comunidade LGBTQIA+, com trabalho de curadoria e definição da identidade visual de materiais gráficos. Faz parte do grupo InFoco na Biblio atuando no GT Profissão, Advocacy e Política, contribuindo com estratégias de inclusão nas bibliotecas e enfatizando a importância da arte.

Nathalia Lima Romeiro

Licenciada em Biblioteconomia pela UNIRIO. Mestra em Ciência da Informação no PPGCI-IBICT/ECO-UFRJ. Doutoranda em Ciência da Informação pelo PPGCI da UFMG. É coordenadora do Selo Nyota junto com Franciéle Carneiro Garcês da Silva e organizadora dos livros: "O Protagonismo da Mulher na Biblioteconomia e Ciência da Informação" (2018) e "O Protagonismo da Mulher na Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia e Ciência da Informação" (2019) em conjunto com Franciéle Carneiro Garcês da Silva; e do livro "Do invisível ao visível: saberes e fazeres das questões LGBTQIA+ na Ciência da Informação" (2019) em parceria com Bruno Almeida e Carlos Wellington Martins.

 

Leituras Recomendadas

Espaço destinado à divulgação de textos e outros materiais, em meio digital, que contribuam com a educação continuada dos profissionais.

Atividades