PLANO DE TRABALHO - CBBP/2020

 

  • Incentivar a participação dos bibliotecários, e discentes de Biblioteconomia, de modo a criar discussões regionais sobre o tema e, com isso, estabelecer uma maior vinculação com as associações filiadas à FEBAB;

  • Identificar fontes de financiamento, por meio de adendos legais, como a remição de pena pela leitura, criação de bibliotecas que sejam sustentadas com recursos advindos das penas pecuniárias, ou seja, utilizar o dinheiro do pagamento de fianças, por parte dos infratores, para fomentar a presença do livro e da leitura no cárcere; 

  • Iniciar ação conjunta entre o Grupo de Trabalho da Acessibilidade e a CBBP, para um plano de ação que envolve entre outros o mapeamento das condições de acessibilidade no cárcere, direito do cidadão e um dever do Estado; conduta e atuação dos profissionais da informação, que devem ter atitudes inclusivas, identificar as reais necessidades dos usuários e propor soluções que contemplem as demandas específicas das inúmeras situações de deficiência, garantindo o acesso em todos os tipos de biblioteca, como as Prisionais; 

  • Implantar curso de capacitação para bibliotecários, e pesquisadores, que desejam atuar nas Bibliotecas Prisionais, seja na pratica ou na pesquisa. Cumprindo, deste modo, uma das missões da própria Febab que pauta-se justamente em “capacitar”; 

  • Tradução, do inglês para o português-br, do “Manual para Bibliotecas Prisionais”, produzido pela IFLA; 

  • Eventos online, visando adaptação em tempos de pandemia, mas sem deixar de promover a pauta e o debate das Bibliotecas Prisionais.

CONTATO

 

Composição

Catia Lindemann

Presidente

Bibliotecária formada pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Ativista de Biblioteconomia Social com atuação em Bibliotecas Prisionais e Mediação Da Leitura para Populações Socialmente Vulneráveis. Atualmente representa a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários e Cientistas da Informação (FEBAB) como Diretora Regional Sul; Representante do Colegiado do Livro, Leitura e Literatura do Estado do Rio Grande do Sul; Bibliotecária na VR Projetos Culturais e Sociais Transformadores.

Adriana de Souza

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo - ECA-USP (2013). Especialista em Gerência de Sistemas e Serviços de Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (2003). Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (2000). Atua como coach, consultora e é docente do curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Tem experiência na área de Biblioteconomia e Ciência da Informação, com ênfase em Serviços de Informação (atendimento ao cliente, SRI, capacitação de equipes), Tratamento da Informação, Coaching (carreira e liderança).

Andreza Gonçalves

Doutoranda em Ciência da Informação pelo Pós-graduação em Ciência da Informação PPGCI-UFMG (2018). Mestre em Ciência da Informação pelo PPGCI-UFMG (2017). Bacharel em Biblioteconomia pela Escola de Ciência da Informação -UFMG (2015). Membro do grupo de pesquisa Práticas Informacionais e Cultura ECI-UFMG. Foi Bibliotecária do Instituto Magli de Ensino. Áreas de interesse: Usuários da Informação, Ciência da Informação, Práticas Informacionais, Informação e Sociedade. Representante Discente ( titular) PPGCI- UFMG.

Ciro Monteiro

Doutor e Mestre em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - Campus- Marília, com ênfase em mediação, apropriação da informação. Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação e da Documentação da Universidade de São Paulo (USP) Campus Ribeirão Preto e graduado em História pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) Atualmente desenvolve pesquisa acerca da mediação, apropriação dos dispositivos informacionais pelos jovens encarcerados em unidades prisionais do interior paulista tendo como foco o debate envolvendo o impacto do uso das Tecnologias de Informação e Comunicação na dita "Sociedade da Informação".

Liliana Martins de Sousa

Mestranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós - Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Ceará. Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) com pesquisa intitulada: Biblioteca prisional no Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa: cenário e possibilidades em prol da reinserção social. Foi estagiária do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região nos anos de 2016 a 2017. Em 2016 foi bolsista CNPq do Programa de Iniciação a Docência do projeto: Da origem e desenvolvimento do serviço de referência e informação: novas perspectivas teóricos-conceituais no âmbito da informação. Em 2015 foi bolsista de iniciação científica no projeto Informação Tecnologia Social e Desenvolvimento Local, financiado pela FUNCAP. Participa do grupo de pesquisa Competência e mediação em ambientes de informação (UFC).

Paulo Fernandes Junior

Mestrando profissional em Gestão da Informação e do Conhecimento, do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Sergipe (PPGCI-UFS), graduando em Biblioteconomia e Documentação pela mesma universidade e Graduado em História pela Universidade de Taubaté (Licenciatura) (UNITAU). Membro editorial da Revista Convergência em Ciência da Informação (CONCI/UFS), membro dos grupos de pesquisa: Núcleo de Estudos em Mediação, Apropriação e Gestão da Informação e do Conhecimento (NEMAGI) e Grupo de Pesquisa em Leitura, Escrita e Narrativa (PLENA). Coordenador do Arquivo Público da Cidade de Aracaju, órgão vinculado a Fundação Cultural Cidade de Aracaju (APCA-FUNCAJU).

 

Leituras Recomendadas

Espaço destinado à divulgação de textos e outros materiais, em meio digital, que contribuam com a educação continuada dos profissionais.

Atividades