Leituras Recomendadas

dim GT

Espaço destinado a divulgação de textos e outros materiais, em meio digital

Todos Temas

arrow&v

direitos humanos

Bibliotecología como forma de activismo político y social

JATUF, Julio Díaz

Tengamos en cuenta, primero principal, que la Bibliotecología Social es esta visión necesaria que el profesional de la información hoy debe tener, en el ambito en dónde se encuentra, a partir de su activismo en favor de la comunidad – especialmente de la comunidad más desafavorecida o comunidades vulnerables – cuestionando muchos términos a la bibliotecología tradicional – en función a su estructura. Su episteme y práxis se deben adaptar para dar siempre los mejores servicios, porque la Bibliotecología ES social por naturaleza. Los lugares de intervención, casi siempre se la relacionan a las bibliotecas públicas, pero no son solamente estas asignacdas a estos espacios. En función de la pregunta que usted me hace, establecer un lugar de intervención en una biblioteca universitaria, por ejemplo, es reflexionar: ¿cuál es mi comunidad vulnerable en mi universidad o en mi facultad? No solamente por raza, religión, orientación sexual, sino también por necesidades informativas. Por ejemplo, en la Biblioteca dónde me desempeño, Facultad de Odontología, hay necesidades de información poco cubiertas de la comunidad de Asistentes Dentales. Ellos representan la comunidad más vulnerable por ser la más pequeña. A partir de estúdios prévios que realizamos, gestionamos los recursos informativos más pertinentes, en español, para dicha comunidad. Esa es la forma de transformar: identificar la comunidad, planificar recursos y servicios para así llevarlos a cabo con éxito.

Pessoas Vulneráveis

cultura

BookTruck: relato de um case de empreendedorismo social por meio de um projeto de leitura em comunidades de vulnerabilidade social

LINDEMANN, Catia Rejane

Este artigo aborda a Biblioteconomia Social, o cerne do FIEB 2018, que destacou o projeto de Biblioteca Itinerante, BookTruck, enfatizando o empreendedorismo social. Uma empresa voltada para o social cultural transformador (VR Projetos), um furgão adaptado e colocado sob forma de biblioteca, uma bibliotecária, 22 cidades visitadas ao longo de três regiões do país e, por fim, comunidades em total vulnerabilidade social. Deste modo atuou o BookTruck ao longo do ano de 2018, viajando mais de 19 mil km pelas estradas brasileiras, levando o livro e a leitura aos que, em pleno século 21, sequer tem acesso à informação. Colocamos neste relato, uma síntese do que foi este projeto piloto no Brasil, narrado sob forma de palestra no FIEB 2018, em Campo Grande (MS). A principal missão do BookTruck é fazer jus a “Agenda 2030” da ONU, no que tange a sua premissa de “não deixar ninguém para trás” e não deixamos. Foram cumpridas cada meta estipulada pela ação, percorrendo bairros de periferia, localidades de violência e criminalidade, escolas da zona rural, asilos e indivíduos que cumprem sentença dentro do sistema penal. Sim os presos, também fizeram parte das rodas literárias e mediações da leitura, justamente porque não poderíamos deixar ninguém para trás. É assim que se transforma o Brasil, empreendendo e investindo na Cultura do nosso povo.

Pessoas Vulneráveis

competência em informação

Competência em informação (CoInfo) e midiática: inter-relação com a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) sob a ótica da educação contemporânea

BELUZZO, Regina Célia Baptista

Apresentam-se reflexão e análise sobre o entorno da Competência em informação (CoInfo) e midiática, destacando-se a inter-relação com a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). São abordados os principais fundamentos teóricos que envolvem a convergência de propósito na promoção do desenvolvimento social e econômico na Sociedade da Informação, do Conhecimento e da Aprendizagem, denominações que são oferecidas para designar a sociedade contemporânea. Finaliza-se com o pressuposto de que todas as pessoas, independentemente do sexo, idade, raça, etnia, e pessoas com deficiência, migrantes, povos indígenas, crianças e jovens, especialmente aqueles em situação de vulnerabilidade, devem ter acesso a oportunidades de aprendizagem ao longo da vida que os ajudem a adquirir os conhecimentos e habilidades necessários para explorar oportunidades e participar plenamente da sociedade, sendo que a CoInfo e a competência midiática têm importante função social nesse processo.

Pessoas Vulneráveis

vulnerabilidade social

Competência em informação no contexto da vulnerabilidade social: conexões possíveis

RIGHETTO, Guilherme Goulart;
VITORINO, Elizete Vieira;
MURIEL-TORRADO, Enrique

Discute acerca da complexa temática da vulnerabilidade social na sociedade do conhecimento e a relação com a competência em informação, incluindo termos correlatos, como democracia, inclusão e exclusão social, cidadania, direitos humanos e movimentos sociais. É concebida uma “ponte” entre a competência em informação, a vulnerabilidade social e os movimentos sociais, com o intuito de aproximar os temas principais do estudo, mediante revisão de literatura. A abordagem social ou sociocultural da Ciência da Informação é substancial, pois os usuários da informação não são indivíduos inseridos em mundos paralelos, mas sim em mundos construídos socialmente. Desse modo, torna-se pertinente a pesquisa social voltada às populações vulneráveis, e suas necessidades de informação. Necessidades que podem ser supridas com o desenvolvimento da competência em informação, componente de emancipação cognitiva dos indivíduos. Chega-se à conclusão de que a predisposição de localizar informações, assimilá-las e incorporá-las como conhecimento adquirido, seja em âmbito profissional e/ou pessoal tem valor inestimável.

Pessoas Vulneráveis

vulnerabilidade social

Crise e vulnerabilidade social: uma leitura territorial

MARQUES, Teresa Sá;
MATOS, Fátima Loureiro de

Como outros países da Europa do Sul, Portugal encontra- -se numa situação de crise económica, com consequências no aumento dos riscos e da vulnerabilidade social. Os indicadores disponíveis para medir os seus impactos sociais são ainda relativamente insuficientes. A pesquisa aqui apresentada desenvolve-se, em primeiro lugar, a nível nacional e sustenta-se num número elevado de indicadores. Em seguida faz-se uma breve reflexão das políticas sociais implementadas nos últimos anos. No final, avança-se para uma análise territorial, para construir uma geografia social focada no número de pessoas afetadas pela crise. É uma geografia que retrata a situação em 2007 e 2014, mostrando a forte concentração geográfica das populações em situações de maior vulnerabilidade social. O retrato que se apresenta teria outra leitura social e territorial se os valores fossem relativizados pela dimensão populacional, mas essa seria outra opção analítica.

Pessoas Vulneráveis

direitos humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Comitê de Redação da Declaração Universal dos Direitos Humanos

Pessoas Vulneráveis

vulnerabilidade social

Diferenciação entre minorias e grupos vulneráveis

TREVIZAN, Ana Flávia ;
AMARAL, Sérgio Tibiriçá

Na busca pela melhor aplicação dos direitos humanos e com o evoluir da humanidade, se fez necessário conceituar e distinguir as minorias dos grupos vulneráveis. Tal distinção se torna essencial para a aplicação de políticas públicas e a possibilidade dos grupos menos estruturados terem a devida atenção e uma maior percepção da sociedade que os cercam. Governantes devem se ater e direcionar políticas públicas especiais para determinadas classes que mais necessitam. Com isso, os direitos humanos seriam melhores aplicados e mais preservados, respeitando assim a Carta Magna.

Pessoas Vulneráveis

cidadania

Empreendedorismo social na biblioteconomia: análise da atuação bibliotecária em ações com foco na Agenda 2030

SOUZA, Claudia Santos;
SPUDEIT, Daniela

O empreendedorismo social visa agir localmente, mas pensando de maneira global e integrada para desenvolver ações coletivas em prol da promoção da qualidade de vida, cultural, econômica ou ambiental no âmbito da sustentabilidade social. No Brasil, é possível identificar profissionais da Biblioteconomia que têm esse perfil empreendedor aliado a uma consciência social coletiva que desenvolvem atividades e projetos, de forma voluntária ou não, voltados à melhoria da educação, acesso à informação, promoção da leitura e da cultura. Dessa forma, este trabalho objetiva apresentar alguns cases de bibliotecários considerados empreendedores sociais para retratar como desenvolvem seu trabalho a partir dos benefícios gerados para as comunidades mais vulneráveis em que atuam. A pesquisa caracteriza-se como descritiva e bibliográfica cuja identificação dos profissionais foi feita via Grupo Bibliotecários do Brasil no Facebook. Conclui-se que essa vertente de atuação é crescente e necessária para cumprir com os objetivos da Agenda 2030 da ONU, principalmente no que tange aos objetivos 4 e 10 que buscam reduzir as desigualdades e auxiliar a promover uma educação de qualidade. Além disso, traz muitos benefícios sociais, educacionais e culturais para a população enfatizando a contribuição e responsabilidade social dos profissionais da Biblioteconomia.

Pessoas Vulneráveis

vulnerabilidade social

Jovens em situação de pobreza, vulnerabilidades sociais e violências

CASTROI, Mary Garcia;
ABRAMOVAYII, Miriam

Neste artigo são examinadas algumas dimensões centrais na vida dos jovens de 15 a 24 anos, apreendidas em pesquisa coordenada pela Unesco, sob o título Cultivando vidas. Desarmando violências. Tais dimensões foram consideradas centrais, de acordo com o acervo de trabalhos sobre jovens em situações de pobreza no Brasil, informações oficiais disponíveis e o que sentem os próprios jovens, pais e educadores. A amostra constitui-se de jovens residentes em capitais e em alguns outros municípios. A análise macrorreferenciada é entremeada de discussões dos agentes sobre o sentido, percepção e importância das dimensões examinadas.

Pessoas Vulneráveis