Leituras Recomendadas

dim GT

Espaço destinado a divulgação de textos e outros materiais, em meio digital

Padrão Banana

Todos Temas

Lupa.png
arrow&v

TCC

Barco em um lago

Bibliotecas prisionais: produção literária brasileira em Biblioteconomia e Ciência da Informação no período de 1967 a 2020

Sofia Biella Caetano

Apresenta um mapeamento sobre a produção literária nacional na temática das bibliotecas prisionais brasileiras. Teve por objetivo, a averiguação dos enfoques temáticos abordados dentro das publicações pesquisadas: desde as pioneiras, historicamente, até as mais contemporâneas, a fim de evidenciar o conhecimento desse objeto de estudo dentro das áreas de Biblioteconomia e Ciência da Informação. A partir do levantamento bibliográfico foram encontrados projetos, guias, capítulos de livros, artigos, monografias, teses e dissertações publicados no Brasil relacionados ao tema de estudo. A metodologia tem caráter quantitativo, apresentando a coleta numérica de artigos, trabalhos e projetos recuperados e, qualitativo, pela revisão bibliográfica e pela análise das produções, bem como seus vieses. Pode-se concluir que o presente estudo possibilita o acesso e a compilação do conhecimento publicado sobre as bibliotecas prisionais, para que haja a devida disseminação e a recuperação da informação pelo público interessado.

Prisionais

Artigos Brasileiros

Barco em um lago

Bibliotecas Prisionais: da prática bibliotecária à jurisprudência do livro e da leitura atrás das grades

Catia Rejane Lindemann

As bibliotecas prisionais estão previstas em lei desde 1984. Entretanto, o tema é pouco conhecido da sociedade e na área da Biblioteconomia há desinformações e ausência de abordagens sobre a prática bibliotecária nas unidades de informação intramuros da prisão e o seu conceito. Nesse sentido, as ações no contexto das Bibliotecas Prisionais envolvem o livro e a leitura, fomentando a Educação prisional e as remições de pena por meio dos estudos e da leitura. A metodologia desta pesquisa envolve pesquisa documental e apontamentos de técnica bibliotecária oriundos de uma experimentação empírica, pesquisa-ação, decorrente de dez anos de atuação profissional e voluntária no cárcere, operando diretamente com apenados, da idealização, execução e gestão de Biblioteca Prisional na maior penitenciária do interior do Estado do Rio Grande do Sul (PERG), e o auxílio na implantação de Bibliotecas Prisionais em outras instituições penais do Brasil. Conclui-se que parte do negligenciamento sobre a biblioteca prisional se deve à ausência de informações sobre a mesma no que se refere a conceitos, jurisprudência, regras, métodos e aplicabilidade, o que foi elucidado neste estudo, tanto no aspecto conceitual quanto nas elucidações sobre a temática do livro no cárcere.

Prisionais

Dissertação

Barco em um lago

Mediação da informação no cárcere: atuação do bibliotecário para reinserção social dos apenados

Francisca Liliana Martins de Sousa

A complexa realidade do sistema prisional brasileiro está incluída na pauta de pesquisa de diversas áreas do conhecimento. Na Ciência da Informação observamos que se faz necessário ampliar os estudos sobre este ambiente de informação, considerando a atuação do bibliotecário e a garantia assegurada à população prisional de dispor de bibliotecas nos estabelecimentos penais conforme assevera a Lei de Execução Penal bem como a Constituição Federal. Diante disso, esta pesquisa tem como problemática compreender o contexto de atuação do bibliotecário no sistema prisional brasileiro e a prática da mediação da informação no cárcere.

Prisionais

Dissertação

Barco em um lago

Sociedade cativa: entre cultura escolar e cultura prisional - uma incursão pela ciência penitenciária

Eliane Leal Vasquez

Neste trabalho analisamos alguns regulamentos penitenciários do Brasil da transição do século XIX ao XX, em especial, no que tange à concepção de educação, focalizando a transformação do currículo escolar nesse período a partir de exemplos da Casa de Correção da Corte, Presídio de Fernando de Noronha e Casa de Correção da Capital Federal. Além disso, discutimos a relação entre o corpus de conhecimentos que são compartilhados pelos professores dentro da escola na prisão no século XXI, com o corpus de conhecimentos e comportamentos que a sociedade cativa produz no ambiente prisional a partir de estudo de caso realizado com alunos-presos do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá. Desse modo, o objeto de estudo desta pesquisa corresponde a um ensaio para construção de interface na história da ciência entre a ciência penitenciária, direito penitenciário e histórica da execução penal do Brasil

Prisionais

Dissertação

Barco em um lago

A biblioteca da penitenciária Desembargador Silvio Porto: história e práticas leitoras

Maria Ester Vieira de Sousa

Pouco conhecemos sobre a estrutura do sistema carcerário brasileiro menos ainda sabemos sobre as práticas leitoras realizadas dentro do contexto prisional. Em princípio, compreendemos o espaço de leitura como um ambiente que nos dirige a uma prática de liberdade, que proporciona ao leitor penetrar em um mundo sem limites. Reconhecendo que um espaço direcionado à prática da leitura pode influenciar positivamente dentro de um contexto de clausura, o objeto de estudo deste trabalho é a biblioteca/sala de leitura da Penitenciária Desembargador Silvio Porto e as práticas leitoras. Levantamos os seguintes questionamentos: Como se constitui uma biblioteca no interior de uma unidade prisional? Que práticas leitoras existem a partir desse espaço? Contemplando o horizonte destas perguntas, esse trabalho tem como objetivo constituir a história da biblioteca/sala de leitura da Penitenciária Desembargador Silvio Porto, a fim de conhecer as práticas leitoras que se realizam a partir deste espaço. Para atender ao objetivo que propomos, observamos o espaço da biblioteca/sala de leitura desta penitenciária, os livros de catalogação e de empréstimos, realizamos registros fotográficos e fizemos entrevistas com o agente responsável pelo setor de ressocialização desta unidade e com o apenado responsável pelo espaço da escola/biblioteca. Esta pesquisa caracteriza-se por ser uma pesquisa de campo, de base bibliográfica e documental e se insere no modelo qualitativo interpretativista. Para melhor compreendermos as práticas de leitura realizadas no interior das bibliotecas, apoiamo-nos em autores como Manguel (1997), Chartier (1999), Goulemot (2011), Fisher (2006), Espíndula (2015), dentre outros. Aprofundando-nos nas temáticas das prisões nos amparamos em Foucault (1979, 2014). Podemos concluir que, infelizmente, a biblioteca/espaço de leitura é um espaço que funciona de forma precária, contudo, sem a devida atenção do poder público para seu efetivo funcionamento. Apesar do mau funcionamento e de todos os problemas que envolvem esse espaço, encontramos uma organização artesanal dos livros, que serve de orientação para os que utilizam esse espaço. Apreendemos que apesar de toda precariedade existente neste espaço, existe um acervo bibliográfico disponível para esse público e existem práticas leitoras intramuros, como o projeto clube da leitura, desenvolvido por uma professora voluntária, onde os encontros acontecem semanalmente com discussões e oficinas. Utilizando um livro a cada trinta dias, durante os encontros os apenados falam sobre as obras e escrevem uma resenha do livro.

Prisionais

Artigos Brasileiros

Barco em um lago

Atuação profissional e percepções sobre a temática biblioteca prisional: o discente em Biblioteconomia da UFF, UFRJ e UNIRIO em foco

Renata Figueiredo dos Santos;
Dayanne da Silva Prudencio

Procurou verificar se os estudantes dos cursos de Biblioteconomia de Bacharelado e Licenciatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal Fluminense (UFF) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) possuem interesse de atuação em bibliotecas prisionais. Pesquisa de natureza bibliográfica e de campo, exploratória-descritiva, e, do ponto de vista da análise dos dados e demonstração dos resultados, com abordagem qualitativa e quantitativa. Conclui que os estudantes têm conhecimento superficial sobre o tema, têm frequentado eventos sobre o mesmo e gostariam de atuar em projetos e ações de engajamento para promoção da temática. Igualmente apresenta que a maioria não tem interesse em atuar em bibliotecas do sistema prisional

Prisionais

TCC

Barco em um lago

Comportamento de busca da informação pelos usuários da Biblioteca do Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho – COMPAJAF : um estudo descritivo

Maia Jeane Santos Melo

Considerando a importância dos estudos sobre o comportamento de busca e sua inserção teórica - prática na área da Ciência da informação, em diferentes contextos e aplicados a usuários de tipologias diversas, sendo que estes últimos podem possuir necessidades informacionais que lhes são próprias, o presente trabalho apresenta como objetivo geral: analisar o comportamento de busca da informação por parte dos usuários da biblioteca ambulante do Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho. Constituem-se objetivos específicos: delinear o perfil informacional dos presidiários como usuários da informação; levantar a tipologia da informação utilizada por estes últimos e a forma de obtenção da informação; identificar as fontes de informação consideradas fundamentais; contextualizar a biblioteca do complexo penitenciário no comportamento de busca de informação dos apenados; verificar as estratégias de busca de informação adotadas pelos apenados. Utilizou-se uma metodologia descritiva, sendo que os dados foram coletados através de questionário aplicado a uma amostra de 30 usuários que utilizam a biblioteca. Foi constatado que a maioria dos usuários possui o ensino fundamental incompleto e buscam e utilizam com frequência a informação na biblioteca, considerando também estas atividades de muita importância. O livro foi considerado o material mais utilizado, sendo que estes, junto com os jornais, são as fontes de informação preteridas pelos mesmos. A forma de obtenção dos documentos que precisam é feita em sua maioria através de levantamento bibliográfico realizado pelo funcionário da biblioteca e, em contrapartida, quando não encontram a informação desejada, preferem recorrer a amigos que não utilizam a biblioteca. Esperamos que este trabalho traga significativas contribuições para a linha de pesquisa Informação e Sociedade e que suscite outras discussões sobre o tema.

Prisionais

TCC

Barco em um lago

As representações da biblioteca prisional: o olhar do presidiário

Leandro Moura

A pesquisa aborda as representações que o preso faz da biblioteca prisional. Para isso buscou-se realizar uma entrevista diretamente com um presidiário no campo de pesquisa, o Presídio Evaristo de Moraes (PEM). Apresenta a situação carcerária do Brasil e mais especificamente do PEM. Conceitua os termos representação e memória que servem como base para análise da narrativa do interno entrevistado. Utiliza a literatura sobre a biblioteca prisional para a contextualização do trabalho. Os procedimentos metodológicos que caracterizam essa pesquisa são de caráter exploratório, de abordagem qualitativa, tendo como aporte a revisão bibliográfica, e a realização de uma entrevista estruturada com um preso afim de analisar as representações que o mesmo faz a respeito da biblioteca prisional. Mostra como resultado a representação da biblioteca prisional na perspectiva do preso. Conclui que a biblioteca prisional possui potencial de transformação da sociedade.

Prisionais

TCC

Barco em um lago

Representações sobre as bibliotecas prisionais: uma análise das interações registradas entre os membros do grupo Bibliotecários do Brasil, na rede social Facebook

Flavia Petterson Mendonça de Freitas

Este trabalho busca investigar as representações sobre a biblioteca prisional a partir das interações entre os membros do grupo Bibliotecários do Brasil, no site de rede social Facebook. Trata-se de uma pesquisa de natureza básica, que se caracteriza pela abordagem mista, apresentando um caráter exploratório-descritivo. Utiliza a técnica de análise de conteúdo para identificar essas representações, através de postagens, curtidas, comentários e compartilhamentos, feitos pelos membros do grupo. Utilizou-se de dezenove termos para a coleta de posts, que formaram dois corpora de pesquisa. O primeiro corpus é formado por 40 postagens derivadas da pesquisa por termos. Seu tratamento distribui as postagens a partir de quatro eixos temáticos: atuação profissional, biblioteca prisional, educação prisional e remição de pena pela leitura; e identifica “quem fala”, “para falar o quê”, “quando”, “como” e com “que resultados”. O segundo corpus de pesquisa é composto por 10 posts, que correspondem às publicações mais representativas em termos de engajamento, derivados da análise do primeiro corpus de pesquisa O resultado de sua análise identifica que as bibliotecas prisionais são percebidas a partir de sete vieses: os ativistas, a educação, a cidadania, as prioridades, o estigma, os irrecuperáveis e o dilema ético. Indica a necessidade de uma ação conjunta que permita um trabalho de conscientização dos profissionais da área, de articulação para a criação dos cargos e de capacitação adequada para atender a demanda dos usuários. Conclui que a resolução dos dilemas éticos internos à biblioteconomia seja a melhor forma de consolidar as bibliotecas prisionais. ...

Prisionais